segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Visão


Tu és mulher, antes de tudo
fêmea que exala perfumes, perdição e beijos.
Tuas curvas e teus seios
cada parte de ti, por mim é desejada
e cada canto de seu escondido universo
vem se mostrar em meus versos.....
Tua visão foi em um instante mas marcante,
e me vi possuído por desejos
ensandecido de vontade
de tê-los em meus lábios, de te-la em mim
possuí-la feito animal
esquecendo meu lado humano racional

não tente a minha vontade anular
pois o meu desejo é difícil de domar,
deixe-me apenas sonhar..
Que logo mais terá fim
e não saberei ao acordar distinguir
se sou eu que peço por você
ou se é você que enlouquece a mim......

Olho na íris dos teus olhos
e vejo minha imagem refletida
no desejo que me queima a alma e minha vida,
perder-me-ei em teus seios fartos
e não quero que me encontrem
até que meu ser fique saciado e ausente
gozar docemente o momento presente

preferia não ter visto
mas a vontade foi maior que a razão
por mais que me esforce
não consigo apagar tua visão
espero descobrir o antídoto
desta cruel vontade que me assola
quero curar-me, esquecer-te
mas a visão insiste em não ir embora

é como miragem de água no deserto
é como estar distante mesmo estando perto
é como doce que criança não alcança e chora
a boca fica cheia d'água na hora,
e se não posso desfrutar desse deleite
posso e com eles eu sonho, crio na mente mil histórias
quem sabe o tempo venha expulsa-las de mim, estas memórias

tuas palavras, tuas negativas..... Vagam por ai esquecidas
tua imagem foi fragmentada, congelada
em mil pedaços diluídos por meu desejo absorvida
e teu sabor...eu imagino com vontade
tudo soou como um sonho bom
sonho perdido em explosões de lascividade.

Gilson Costa (Diário de Bordo, poesia do ano de 2001)