quarta-feira, 30 de maio de 2012

Vida!



A estrada da vida vai além do que nossos olhos enxergam e ela é cheia de curvas, retas intermináveis, ladeiras cansativas e poucos acostamentos para descanso.

A vida, uma teia de fios traçados, entrelaçados, uns fortes feitos aço outros se partem ao menor sopro.

Sopro de vida.

Teia que enrola, desenrola-se diante de nos. Alguns rolos somos nos que fazemos e desfazemos...

Vida que nos é cara, rara... Rarefeita, que se faz e desfaz.

Vida de múltiplos sons, infinita musica e diferentes compassos.

Vida...

Estrada de ida tem volta.  Idas e vindas, vida.
É chuva que aduba e tempestade que destrói
Tempo que passa, frutifica....
Constrói , eleva, evolui
Vida que flui...

Gilson Costa

Pescador de Almas.




O amor em sua essência
Da mais bela pureza
Aquele que não conhecemos
Mas almejamos,
É um pescador de almas
Sai com sua rede todo dia
Pelo oceano tempestuoso da vida
Em busca de Almas cansadas,
Perdidas e sofridas!

O amor
Aquele da renuncia, da entrega
Aquele que nunca se nega
Incondicional de fato
Contido em todos os atos
Aquele mais poético
Do que qualquer verso e poesia
Sai em seu barco todo dia
Pelos mares que causam feridas
Em busca de Almas cansadas,
Perdidas e Sofridas!

Gilson Costa

terça-feira, 29 de maio de 2012

Saudades!




Saudades de mim, de você, de nos
de um tempo que ficavamos a sos 
e o mundo, la fora, parava
enquanto eu o teu corpo contemplava.


Saudades de um tempo menos complicado
de risos mais fáceis e abraços também
Saudades do carinho no olhar, do suspiro
dos arrepios
e do andar ao teu lado,


Do perfume que ficava na pele.
Saudades de um tempo mais simples
de tardes mágicas e noites com você
em pensamentos pecaminosos


Saudades da boca, do beijo
do gemido, da amizade
e do porto seguro que era teu colo


Saudade de amar e ser amado
por você...


Gilson Costa

"...De nós mesmos..."



Talvez não encontramos em nós
aquilo que queremos ou precisamos,
(sinceramentenão  creio
que tenho uma cara metade
perdida por ai, por que assim
nunca serei alguem inteiro...completo
pleno...so na presença desta metade...
e como dia um pedaço de uma música
seria sempre um "quase um")


"...alimentar ...Os abismos"

Talvez seja por medo de transpor
ou cair neles e encontrar escombros
que não queremos revelar e conhecer...
Eles cheios, bem alimentados
são mais seguros...
Cheios até a boca dá para passar
por cima deles tranquilo...

"...As próprias asas..."

Asas nos levam para longe,
para o desconhecido,
para o além...infinito...
E como não sabemos onde fica
e como é lá,
nos contentamos com vôos
mais seguros ou nem saímos do chão...
Cortamos as nossas asas
para voarmos com asas alheias...

E continuamos em nossos devaneios!

Gilson Costa

domingo, 27 de maio de 2012



Nasci substantivo:
- rodeado de adjetivos-
E com a pré-tensão
De tornar-me verbo
Parágrafo:
Não sabia as regras da escrita.
Cresci entre ditongos e hiatos
Não encontrando meu objeto direto,
Crases a parte... Trema...
- oh pretérito imperfeito de,
Minhas orações subordinadas...
Sujeito oculto tornei-me
Um adjunto adverbial que
Vive de pleonasmos e antíteses
Na busca da melhor preposição.
Desfiz-me de redundâncias.
Tentando assim conjugar-me,
- ainda não era verbo
E meu presente mais que perfeito
Nunca existiu.
Eu, tu, nos e eles  numa batalha
Lingüística, contra vós e eles,
Incorporando temas e modismos
Que não nos eram próprios...
E a resultante desta frase:
- tornei-me pronome pessoal
“atire a primeira pedra... A primeira pessoa
Do singular”
Fui me compondo
Desviando de vírgulas soltas,
Fugindo de pontos
Tanto de exclamação quanto de interrogação
Reticente abri aspas para o futuro
Deixei de conjugar meu passado
- nada de síntese na construção do meu eu,
Sendo complexo
Ainda não sou verbo...
Enfim
Ai esta o resumo de minha analise gramatical...

Decifra-me ou devoro-te...

Mundo de poesia – replica do poema de Maria de Sameiro Machado




Prenda-te à vida, em poesia.
Mesmo que em noites mal dormidas,
Não a solte, mesmo que absolvida.
Respire-a 24 horas de teu dia.

Trate-a como rainha, mesmo sendo pobre.
De banquete, faça a festa,
Pois se alguma poesia ainda nos resta
Para tornar a nossa vida mais nobre.

Caso ela tente  fugir
Declare o seu mais profundo amor
Com sua mais sincera sinceridade,

Ela não tera pra aonde ir
Por ti não  guardara rancor
E fara parte da sua verdade.


Gilson costa

Alma e coração




Alma inquieta minha
A tristeza te dominou
O amor que ontem tinha
Vazia a deixou

Coração de pedra meu
A amargura te semeou
Alegria de viver perdeu
Solidão em ti frutificou

Alma inquieta desvaraida
Dentro existe um vão
Torturada e mutilada
Refugiou-se da emoção

Coração cansado
Dentro do peito dizimado
Se ontem era amado
Hoje jazz, abandonado.

Alma bandida
Coração sofredor
Escura fica a vida
Sem carinho e sem amor

Gilson costa

Rua




Rua por onde eu passo
No compasso de cada passo
E que abriga
Meus inseguros passos;
Mas se inseguros
São meus passos
Onde se encontra
O mencionado compasso?
Rua da agitação
Avenida de contraditoria
Emoção
Busca intensa paixão
Afirmativa com negação.
Todas as raças
No mesmo veiculo
No mesmo calçadão...
No fundo disto tudo
Sempre sobra confusão.
Rua que é meu rumo
Onde o futuro arrumo
Buscando o plumo...
Rua que me envolve e me toma
Que me divide mais do que soma
E que minha emoção não doma...
Serás que tu, rua
Pode me conduzir a roma?

Gilson costa

Aquelas noites.




Noite:
Já não me seduz como antes,
Continuas bela e insinuante.
Estamos cada vez mais distantes
Pra quem um dia foi amante...

Noite:
A tua voz já não me alcança
Com falsas promessas e jeito de rainha,
Já não tenho muita esperança
De sua imagem iluminar minha retina.

Noite:
Voce em quase nada mudou,
Continua oferecendo-me loucuras,
Mas o fato é que o tempo passou
E minha alma já não é mais sua...

Noite:
Teu perfume ainda vem me despertar
O som da sua madrugada: escuto,
Mas já não há coragem de me entregar
Pois meu coração, por solidão, esta de luto...

Gilson costa

ECLIPSE



NO CÉU BRILHA A LUA: ESCURA,
NA TERRA MINHA ALMA SOMBREADA
PROCURO ALIVIO E UMA CURA
QUE TORNE A VIDA ILUMUNADA

ADMIRO O ESPETACULO ACIMA
POR DENTRO ESTOU EM GUERRA
PROCURO FUGIR DESTE CLIMA
COMO A LUA DA SOMBRA DA TERRA...

QUERIA BUSCAR AQUELE LUGAR ESCURO
SEM BRILHO, SEM CORES
VOANDO TAL QUAL UMA  AVE,

BUSCANDO UM LUGAR SEGURO
ONDE NÃO ME ACHE AS DORES
NEM OS MEUS AMORES GRAVES.

GILSON COSTA

ACONTECE




ANOITECE,
NA MENTE PAZ
E UMA PRECE...
OS ERROS MAIS QUE OS ACERTOS
A GENTE ESQUECE,
ACONTECE...

AMANHECE
O SOL, O SONO AQUECE.
MAS TODA DESIGUALDADE
AINDA PERMANECE;
ACONTECE

TODA SEMENTE
QUE NA TERRA CAI,
SE NÃO FOR ENTRE AS PEDRAS
ELA CRESCE;
ACONTECE

A VIDA SEGUE
A LA MONTANHA RUSSA
NUM LOUCO SOBE E DESCE,
MAS A ESPERANÇA
NUNCA ESMORECE,
ACONTECE

O AMOR NASCE
CRESCE, MAS ÀS VEZES,
MINGUÁ E DESAPARECE,
SENTIMENTO NOS ENVOLVE
E A SAUDADE ENLOUQUECE
ACONTECE

GILSON COSTA


Quando os verdes dos teus olhos
Espalhar na plantação
Já dizia a canção
Mas não eram sobre teus olhos
Que é uma constelação
É luz que ilumina nossa alma
E cega nosso coração

E teus verdes olhares
Queria navegar por estes mares
Mergulhar em tua imensidão
Mas isso não me é permitido
Mas o que me importa
É que consigo ver de sua alma
A sua bela porta
Verde esmeralda, primavera em flores
Estrada de lindos amores
Que queria eu encontrar...

Quando os verdes dos teus olhos
espalhar na plantação,
olhos que são estrelas, Luas, Planetas
em órbita de sua paixão...

Gilson Costa

sábado, 26 de maio de 2012

Eu te liberto


Eu te liberto
dessa obsessão
que te asfixia a razão...
Eu te liberto
desse ciúme
que te deixa em lume...

Eu te liberto
desse tua dor
feita de mágoa e de pavor
Eu te liberto
da saudade
e dessa ansiedade...

Eu te liberto
dos meus beijos
e dos meus desejos
Eu te liberto
desse teu sonho
insano e medonho...

Eu te liberto
da ira e do rancor
que envena o amor
Eu te liberto
do teus sentimentos
e dos nossos momentos...

Eu te liberto
de tudo o que juraste
e do muito que sonhaste
Eu te liberto
do passado e do presente
para que sigas em frente...

Eu te liberto
apenas e simplesmente
porque sou diferente
Eu te liberto
porque não posso amar
quem me quer aprisionar...

Eu te liberto
sobretudo e ainda
porque uma dor infinda
está bem perto
e, ecoando em mim,
quer que seja assim...

Eu te liberto
porque só posso conquistar quem for livre e me aceitar como sou sem nada pôr nem tirar...

Queria fazer parte do Céu



Queria fazer parte do Céu
Ser astro, ser anjo, ser estrela, ser seu
E lá de cima te olhar,
senti-la  mais perto de mim
queria ser sua amplidão sim
que não tem começo, meio ou fim.
Queria ser pedaço do Céu
Para quando, límpido e enluarado.
Olhares com ternura pra cima e me ver
Ser todas as constelações do seu ser.
Mas mero mortal eu sou
Caminhando cheio de saudades
Esperando para planar em teu Céu
Instantes intensos de felicidade.
Não sou herói
E nem possuo meu cavalo alado
Apenas um simples  apaixonado
Nem astronauta eu sou...
Apenas um demente
Que tenta conquistar o que não lhe pertence,
Querendo ter o Céu de presente
Fico sendo assim mais um louco,
Porque o Céu é para poucos...

Gilson costa

Sim sou seu anjo




Sob minhas asas
Abrigo os seus problemas, tristezas,
Saudades e dilemas
Alheios
Nas palavras e conselhos
Acerto em cheio.

Trago as respostas
às suas perguntas
Trago o teu mundo
Em minhas costas
Alivio a tua dor
Posso te dar amizade,
Não o amor.

Seco suas lagrimas
Com o meu olhar
Transformo-as
Em orvalho, ao luar.

Sim, sou teu anjo.
E te protegerei

Mas e minha dor
Como aliviarei?
Como deixa escoar
Toda a tristeza em mim

Tão anjo quanto mortal
A solidão
Também me faz mal

Sim
Mostrarei caminhos
Que não posso seguir
Darei esperanças
Que não devo possuir
Aberta esta minha ferida
Assim é minha

Anjo errante
Que a muitos tenta ajudar
Mas que na calada da noite
Se pega a chorar
A questionar
Mas e minha dor
Como aliviarei?
Como deixa escoar
Toda a tristeza em mim

Quando isto terá fim...

Gilson costa

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Quem sabe eu entenda...




Só se for hoje, só se for agora.
Farei você entender a influencia
dessas minhas reticências
num beijo ou no meu toque
deixa que minha pessoa te provoque
não resista e se renda
quem sabe assim você entenda!

Sou meio tacanho, meio burro
Você terá que dar em ponta de faca, murros
Para que tua essência eu compreenda
Muitos beijos e abraços
Amar-me em cada passo
Para ver se assim eu aprenda
Sou meio devagar nas explicações
Mas quem sabe você se surpreenda
Entre teus braços e carinhos
Quem sabe eu assim entenda

Fugir só se for para teus braços
E teu beijo minha oferenda
Dependendo da nossa intensidade 
Quem sabe assim eu até entenda...
E torne-se então minha ciência
Sua essência e todas tuas reticências

Gilson Costa


Meu pecado




É amar quem não me pertence
É querer quem não pode ficar comigo
Meu pecado
É não ter sido apenas amigo

É ter me apaixonado de forma intensa
É ter sonhado e ter a alma pretensa,
É achar quem um dia possa mudar
Algo como tirar o sal do mar

Meu pecado é sonhar as noites com você
Mesmo sabendo que não posso a ter
É acordar todo o dia
Olhar para o lado e não te ver

É querer uma vida que não é minha
É querer você mais do que tinha,
É pensar em você a cada instante,
E te ver longe, cada vez mais distante.

Meu pecado tem nome e sobrenome
E no meu ser exerce enorme poder
Mais intenso que os sete pecados capitais
O meu pecado é você.

Gilson costa

Apenas um vento...




Apenas um vento, um sopro, um lamento,
Para quem já foi 100% pensamento
Apenas uma pequena brisa
Que se extingue, finda

Que já não te toca
E nem te provoca
Já não mais te contagia
E nem te arrepia

Apenas um vento

Que sopra de um lado para outro
Que varre o Céu, solitário.
Tristeza, sentimento que não é pouco.
 São varias paginas do meu diário...

Apenas um vento
Carregado de saudade
Uma brisa que um dia
Já foi Ciclone, tempestade.

Gilson Costa Brito


A vida é assim mesmo...
Tem essa capacidade de mudar de um segundo pro outro.
Com a mesma certeza que a chuva começa e termina.
Como o dia deixa a noite entrar;
A lua em seguida deixando o astro brilhar

Não quero ter certeza
Nem decidir-me por nada

Quero navegar em águas mansas
Não quero mais o gosto do enjôo na boca
As turbulências, por hora, não me atraem mais

Me deixa continuar assim,
Pelo menos até que eu decida mudar novamente;
Até meu coração reconhecer qual o melhor caminho a percorrer.

Já me adaptei a minha prisão de pensamentos,
Me deixa quieta
Para que eu possa me achar.

Rosamaria Roma 

quarta-feira, 23 de maio de 2012



É a mim que desejas e queres
 mas por ser formosa entra as mulheres
mais de um coração também te pleiteia
mais de uma alma, seu olhar incendeia.
Eternizo sim o que eu sinto
pra se ler para que num futuro quem ler,
Vera que hoje eu não minto
 No que diz respeito ao meu bem querer

Romeu não? Nunca disse isso
mas este amor que virou feitiço
uma lenda, de personagens, cheia
paz e ciúmes para minhas veias

acorrentado sim e por que eu quero
 estar preso a este amor, isto é vero
na tua frente falta-me ajoelhar
 para você perceber este meu amar

e não é só de lagrimas que vivo
minha escrita é seu amor que respiro
sim bate triste o coração no meu peito
quando ausente tu estas do meu leito

Se sabe de cada vontade e desejo que possuo
dos ciúmes que tento, mas não destruo
da paixão que mantém acesa esta chama
então diga aos outros... Que me ama

Gilson Costa

Solidão


terça-feira, 22 de maio de 2012

Deus , dentro de nos



Conheça-te
A ti mesmo.                                               
Mesmo que a jornada
Seja dura
Mesmo havendo despedida...
Veja
Os erros e acertos
Que surgem
Na estrada de tua vida 
Olha-te
No fundo de tua alma
Sem medo
Nem vergonha de teus segredos
Não há como fugir dos sonhos e pesadelos 
Desvende teus mistérios,
Descobrindo seus
Anjos e demônios
Assim encontraras as fraquezas...
E suas glorias
Teu pedaço na tua história 
Elementos de tua armadura de herói
Pois nos desvendar
É inseguro e dói

Reencontra-te
Não tema se perder na sua obscuridade
Existe um deus dentro de nos
Que luta para emergir
E nos mostrar o caminho da verdade

GILSON COSTA


domingo, 20 de maio de 2012

Se duvidas que teu corpo...




Se duvidas que teu corpo
Possa estremecer comigo
E sentir
O mesmo amplexo carnal,
-desnuda-o inteiramente,
Deixa-o cair nos meus braços,
E não me fales,
Não digas seja o que for,
Porque o silêncio das almas
Dá mais liberdade
Às coisas do amor.

Se o que vês no meu olhar
Ainda é pouco
Para te dar a certeza
Deste desejo sentido,
Pede-me a vida,
Leva-me tudo que eu tenha
Se tanto for necessário
Para ser compreendido.

Gilson costa








Meus pequenos vocábulos, voltem aqui. Não saiam de mansinho, voltem já para o seu ninho! Esse desprendimento, essa soltura, esse ar expelido com um resto das minhas amarguras. Isso anda acabando comigo, pois tento apunhalar o ar, tão vazio. Preciso de um tanto de sílabas e do meu português meia-boca, admito. Preciso do meu espírito pseudo-escritora. Era gostoso ter meus temores e amores em uma única folha. Era gostoso a praticidade como os palavras rolavam pela ponta do lápis. Estou ansiosa que volte ao menos 20% da minha “facilidade”, já espantaria metade das minhas agonias.— LaylaG.

Migalhas


Dá-me cá tuas migalhas,
que a contra gosto
eu sobrevivo.
Dá-me cá o que sobrou,
que persistente
eu reinvento.
Dá-me cá uma simples esmola
e com um pouquinho de esforço
me sentirei milionário!
Dá-me cá uma porção de descaso,
justo quando eu mais preciso
e eu seguirei em frente!
Dá-me cá os cacos do chão,
e ainda assim
te faço versos.

sábado, 19 de maio de 2012

Metade





Metade de mim é luz,
Metade é sombra.
Metade de mim se levanta
A outra metade tomba.

Metade de mim insiste
A outra desiste.
Metade de mim é alegria
Outra metade pura melancolia.

Metade de mim é amiga
A outra se fecha e briga,
Metade de mim é alerta
A outra, nada a desperta.

Metade de mim é amanhã
A outra vive no passado,
Metade de mim é boa
Metade vive no pecado.

O futuro para uma metade sorri
A outra não quer se iludir
Metade de mim busca a vida
A outra metade busca sempre uma desculpa,
Uma saída.

GILSON COSTA