domingo, 20 de maio de 2012

Migalhas


Dá-me cá tuas migalhas,
que a contra gosto
eu sobrevivo.
Dá-me cá o que sobrou,
que persistente
eu reinvento.
Dá-me cá uma simples esmola
e com um pouquinho de esforço
me sentirei milionário!
Dá-me cá uma porção de descaso,
justo quando eu mais preciso
e eu seguirei em frente!
Dá-me cá os cacos do chão,
e ainda assim
te faço versos.