terça-feira, 8 de maio de 2012

A poesia



Desta fria,
Vazia
Folha de papel;
Irrompe
Como em babel.
De forma
Não muito sutil,
Versos
Que tingem de anil
A virgem floresta clara.
Arte dificil e rara
Esta de transformar rabiscos
Em versos ricos
Ou pelo menos tentar
Aos outros
E a si proprio enganar
Pois há poesia
Em cada esquina
No olhar de menina
Em cada gesto
Tão longe e tão perto.
A cada gota de chuva
Em cada mulher nua
Cada um encontra
A poesia sua...
Em cada canção
E lamento
No triste arrastar do tempo
E até na solidão.
O universo é poesia
Cada manhã fria
Lagrimas
Sorrisos
E alegrias,
Tudo isso é verso puro
Cada novo amanhecer
Cada fato do nosso viver
Pode ser registrado
Filmado e fotografado
Mas tudo envelhece um dia
O que fica mesmo
É a poesia.

Gilson costa