quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Navego

Navego
Teus mares
Arranco
Teus colares
Faço sexo
Entre nossos
Olhares
De nosso
Corpo
Avatares

Sonho
Em meus versos
O desejo
De você
Por perto
Destino
Incerto
Amor
Encoberto

Escrevo
Em teu corpo
Meus poemas
Cada sensação
É um tema
Cada luxuria
Meu dilema
E olha
Que a vontade
Nunca é pequena

Navego
Teus mares
Do teu beijo
Oração
Nos teus altares
Não há
Como  impedir-me
Mesmo que me
Recusares...

Gilson Costa