quinta-feira, 28 de junho de 2012

Expectativas



Creio eu, na minha humilde ignorância, que o mal da modernidade chama-se expectativa ou expectativas, fiquem vocês com a melhor opção, pois seja no singular ou no plural, elas estão sempre ai...

Criamos, alimentamos, mimamos-as.

Algumas crescem nos abraçam e caminham ao nosso lado, tal qual animal de estimação, sempre felizes ao nos ver. Outras crescem além da conta, engolindo a gente, paralisando-nos.

As expectativas tão presentes em nossas vidas.

Às vezes damos valores indevidos e elas caem em cima de nós feito avalanches, confundem as horas do relógio, viram toques de telefones ou nos dias de hoje, sinais sonoros de sms.

E os sonhos? A os sonhos repletos de expectativas, de momentos esperados, realizados ou não.

Planos que se fazem no pensamento e muitas vezes morrem na vida real. Expectativas!

E olha que estão em todas as partes, da hora que acordamos à hora que vamos dormir. 

Sempre ali na espreita, na esquina, na próxima curva pronta para pegar a nossa mão e nos guiar por ai..

Expectativas... Plantação de difícil colheita, chuva acida na alma, que corroí quando não atingidas, supridas e superadas.

Esperamos demais, fazem de menos e criamos então a nossa Hidra de Lerna moderna...

 Expectativas!

Quais você alimenta, quais te devoram!!!

Gilson Costa