quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Antitesiano é o amor!


É o amor
Contratempo momentâneo
O eterno instantâneo
Recipiente da contradição
Afirmativa com pura negação
É tudo inserido no nada
Sol que brilha, em plena madrugada
É o amor
Quase nada infinito
É o silêncio do nosso grito
É estar feliz aflito
É o amor
Remédio e veneno num só frasco
É sentir-se forte e ser fraco
Exclamativa repleta de interrogação
Estar sozinho no meio da multidão
É o amor
Um passo... Um grande laço
Uma trilha, a armadilha.
E que me fica faltando um pedaço
Sempre que não estou em teus braços...!

Gilson Costa