domingo, 8 de abril de 2012

Na corda bamba. Abismo!



Andamos em um abismo, em cima de uma corda bamba.
Se o amor nos da asa e proteção
Pode ser a causa, também, de nos levar ao chão.
E a queda dói, machuca e causas feridas
Que não cicatrizam em uma só vida.

Andamos perto de um precipício
Com vendas nos olhos
Tentando voltar ao inicio
Da pureza de nossos sentimentos
Não somos mais pipas ao vento
Repleto de saudades
Somos passarinhos colhidos em meio a tempestades.

Sem rumo, sem norte e sem chão.
Somos amor e já não mais paixão
E se continuar a cambalear
Nesta estrada da vida, que às vezes é rota.
Tenha certeza que o amor morre, 
como a paixão esta morta...




Gilson Costa