domingo, 7 de novembro de 2010

É sempre assim


É sempre assim

Grito,corro,choro,mordo...

Falo alto,busco outra direção

Começo outra vida,contrario

Anarquizo,enlouqueço,esmoreço

Componho a raiva,

Mostro os dentes,dou a volta

Fujo da raia

Mas, quando te vejo...

Amoleço,perco a pose,a postura

Nem mais enxergo

Fico boba,um pouco tonta

Esqueço a raiva

As dúvidas que pairavam no ar

Perdem o sentido,tudo fica lindo

Me sinto aquecida,protegida

O ar fica leve,o riso fica solto

As pernas tremem

O coração entra no ritmo

E fico absolutamente pronta

Pra te amar


É sempre assim...


(Silvana Cervantes)