sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Sempre

É sempre igual o adeus
o pôr-do-sol é sempre especial
As noites sozinho são sempre longas
Estamos sempre a um passo do final

Olhos apaixonados sempre se olham do mesmo jeito
A música quando é boa é universal
A corrupção tem o mesmo caminho
As pessoas, o mesmo potencial

E a noite quando cai
sempre cela um acontecimento:
alguém que chega, outro que vai;
uma vida que de nós se despede
uma jovem a mais que se perde
um alguem que reencontra o pai

Pessoas que se encantam,
segredos que se contam
Amigos que se despedem para nunca mais

Amores divididos,
Policiais, bêbados, bandidos
A vida num ritmo semm paz

Poetas malditos entre a gente
sinceras mentiras, malicias inocentes
o grito que surge de dentro de um ventre
A renovação, todo dia, toda hora

Sempre

Eliane Brito